sábado, 18 de fevereiro de 2017

há flores que separam

há casas sem flores. Há paredes sem cor. Há esforços mantidos, há silencios perdidos, não há segredos há gritos.
há casas sem flores. Há casas cheias sem cor. Há casas com dor, há sacrifícios levados, há dois cansados.
há casas com flores. Há janelas de luz, há leves sorrisos, há intervalos de livros, há afectos e lirios.
há casas com flores, que traz a mulher, há crianças e suas aventuras, suas gargalhadas e travessuras.
Há casas que são a mesma mas uma tem flores espalhadas pelos vazios em festa.