quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

trouxe Flores



os tempos têm sido duros. No seu mundo real perderam a dignidade de poder festejar a vida. O que raio é festejar a vida?!
veio a chuva e depois o sol.
o vento e depois a brisa.
e então ela voltou com flores. Ele então acendeu duas velas, que colocou cuidadosamente sobre a mesa. Um pouco afastadas dos copos com um balanço geométrico, que significa a preocupação de lhe oferecer o belo. serviu vinho, nem bom, nem mau. Nem caro, nem barato. Vinho, vinho. Serviu-o sem a ansiedade da juventude que fervilha nestes momentos. O que ansiava estava ali. Não havia o desejo de a ter de seguida. Nada mais queria senão aqueles olhos de sempre, brilhantes novamente e um rosto de felicidade onde repousar. E nesta luz quente de frutos vermelhos, reencontraram a vontade de sorrir e brindar á sua paz e tranquilidade. A vida vem a seguir, podendo inspirar e reparar nas coisas belas que os rodeiam. Sem ar.... Não podem reparar, ninguém pode. Correm, como correram. Mas agora podem repar em tudo. Reparam todas as feridas, desta corrida. Param..